Depoimento de Paulo Malária sobre o retorno dos vinis


Produzindo discos há 38 anos - primeiro vinis, depois CDs - presenciei a completa mudança do mercado da música e sua interação com a midia.
Quando fui levar o 1 LP do Acidente, acreditei que tocaria. Mas tocou bem pouco, e quase só na Maldita, que pôs em pra´tica um método de captação de opinião (músicos de bandas indies, tocando no início 100% de independentes arrebanhando assim formadores de opinião, depois 90%, 80%, até chegar a 0%. Outras FMs nos programaram, como a Universidade/Estácio e, antes de tudo, o programa "Poeira & Country" da 98. Bastante? Você não vai achar nada do Aça nos Top 1000 de qualquer ano.
Memórias de minhas visitas às rádios;a gravadora tinha interesse em que o disco novo fosse programado, a editora sempre, e o empresário quando o grupo fosse tocar na área. Não vou dizer que rolasse jabá, isso só com provas. Mas nós estávamos fora.
Fim do Mundo é o segundo vinil independente do Acidente, lançado em 1983.Nunca tivemos empresário, nem gravadora, nem editamos nossas músicas.
O novo Acidente dos anos 90 andou pra isso. Gravávamos instrumental de inspiração progressiva, sem a menor intenção de tocar no rádio. Foi um tempo bom. Mas o prog, como tantas grandes formas de arte, começa a padecer de falta de inspiração.
Então voltamos ao rock, mas agora sempre com 1%, 2%, 5% de progressivo em algumas composições, pois fica o gosto.
Piolho é o terceiro vinil independente do Acidente, lançado em 1985. Outro dia li num site, acho que de metal, uma pergunta: Como revitalizar o mercado? Resposta difícil. As lojas de discos fecharam (o que significa que as grandes majors acabaram ou encolheram), as FMs estão segmentadas e há espaço para umas 3 viverem de antigos hits pop dos anos 80, mas poucos cantinhos para o rock. Não sei se um taxista perceberia meu êxtase se entrasse no taxi e estivesse tocando no radio "Dancing with the moonlight". As rádios preferem não mexer em time que está perdendo de pouco.
Em Caso de Acidente... Quebre Este Disco! é o 4º vinil independente do Acidente, lançado em 1989Mas,voltando à pergunta, uma realidade vem à mente: o vinil está voltando. Primeiro em edições luxuosas de 12 polegadas, para um público de maior poder aquisitivo.
Mas, se volta o vinil, volta junto o toca-discos. E o que pode vir com ele? Os compactos!
Estes pequenos discos de 7 polegadas, com 1 ou 2 faixas de cada lado, traziam consigo a possibilidade de que um número astronômico de bandas, pois não era preciso preparar mais de uma hora de som . Duas músicas, uma capa informativa e pronto: pleno emprego para os músicos de bandas de rock. E outros gêneros também.
Talvez não seja muito fácil para um grupo de metal ou prog gravar músicas de no máximo 6, 7 minutos. Mas pensem nas possibiliddes: as lojas reabrindo, os músicos carregando seus discos em sacolas, toca-discos reproduzindo essa arte. Onde 10 gravavam LPs ou Cds, 1000 gravavam compactos.

Paulo Malária

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pedido da música "Por Quem Os Sinos Dobram" no Programa Onda Nervosa

Tributo a Toninho "Gato de Louça" Albuquerque